Bebés Congelados para Evitar Lesões


O bebé Cerejo, como Dinis é tratado pelas enfermeiras da Unidade de Cuidados Intensivos de Neonatologia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, ficou preso ao corpo da mãe quando tentava nascer. O impasse no parto provocou uma paragem respiratória e temeu-se o pior: paralisia cerebral. Mas Dinis é um caso de sucesso da aplicação de uma nova técnica, importada do Reino Unido, que usa o frio para evitar as consequências da falta de oxigenação do cérebro.

Dinis nasceu em Abrantes, depois de uma gravidez tranquila e num parto que se perspectivava normal. Mas tudo se complicou e acabou por lhe faltar oxigénio. Transportado de ambulância para Lisboa, foi o quarto bebé a ser tratado em Portugal com hipotermia induzida. Na passada quarta-feira, foi submetido a uma ressonância magnética para comprovar a extensão dos danos. A conclusão foi que Dinis não deverá ter sequelas. "O exame não indicou lesões irreversíveis e o prognóstico é favorável", afirma Carlos Moniz, sublinhando que a confirmação só acontecerá quando o bebé completar 18 meses.

Tudo acontece porque se o oxigénio não chegar ao cérebro provoca asfixia e gera-se um quadro convulsivo, capaz de provocar lesões cerebrais que, se não forem atempadamente tratadas, podem ser irreversíveis. O recurso ao frio explica-se por reduzir o consumo energético do organismo, evitando a morte das células cerebrais.

"A hipotermia induzida prevê o arrefecimento controlado do recém-nascido até 33,5 graus durante 72 horas. Neste período, a criança será permanentemente monitorizada, verificando-se se ocorrem convulsões, que serão tratadas com a terapêutica adequada", explica Carlos Moniz. Após esta fase, e "muito lentamente", o corpo é reaquecido até 36,5 graus. Sete dias mais tarde, a criança faz uma ressonância magnética para verificar a existência de eventuais lesões cerebrais.

Noticia completa no site 100 Amarras, Fonte: Deficiente-forum

Comentários

  1. Interessante, não é?

    Também nem sequer fazia ideia.

    Fica bem.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia.
    Temos uns amigos numa situação semelhante e gostariamos de perguntar, se é normal convulsões e espasmos nos casos como o do Dinis? O bebé dos nossos amigos tem 4 dias e tem vindo a piorar dia p dia... é normal?
    Muito obrigada e felicidades para o bebé Dinis

    ResponderEliminar
  3. Anónimo, não lhe sei responder. Mas pelo que a reportagem diz, parece que convulsões acontecem, mas devem ser evitadas e se acontecerem tratadas adequadamente, para que não hajam consequências.
    Mas o Drº Carlos Moniz que tratou o Dinis no Hospital de Santa Maria, poderá de certeza informar-vos.
    Tudo de bom também para o bebé dos seus amigos.

    ResponderEliminar
  4. Desconhecia..espectacular partilho Bjãooo

    ResponderEliminar

Enviar um comentário