Mais Sobre Sexo


Minha coluna deste mês, no Vida Mais Livre: De repente, o tema sexo na deficiência deixou de ser tabu, para passar a ser o centro das atenções.

Agora especialistas mostram resultados de seus estudos, outros escrevem livros sobre o tema, é destaque em novela em que a sexualidade da personagem tetraplégica é seguida com tanta curiosidade como se de uma extraterrestre se tratasse.

Já que todos falam sobre o assunto, e designadamente o ato sexual (transa), resolvi também escrever algo sobre o antes da coisa acontecer.

Meninas costumam dizer: Só saio com um rapaz que possua um carro adaptado para cadeira de rodas elétrica, para assim poder ir buscar-me a casa e levar para todo o lado. Saber fazer cateterismo (esvaziar a bexiga), saber limpar eventuais perdas de urina ou outras, ser forte para me poder pegar ao colo e deitar na cama, tirar-me a roupa com muito cuidado por causa dos espasmos. Depois fazer o inverso.

Outras acrescentam: no nosso caso aceitamos quem nos venha buscar ao lar onde moramos num qualquer carro. Tem é que ter porta bagagens grande para caber a cadeira e ser também suficientemente forte para nos pegar ao colo, por no carro, tirar do carro e por na cadeira, depois tirar da cadeira e por na cama, ainda saber lidar com algálias (sondas) e pelo caminho não posso esquecer de perguntar se tem em casa um penico para ele despejar meu saco de urina antes de me por na cama. É que se não tiver, temos que comprar uma garrafa de água de litro e meio, que depois de vazia faz o mesmo efeito. Tem que saber alimentar-me, fazer minha higiene, pôr-me a fralda no dia de treino intestinal. E tem que ter paciência, pois regras do lar são rígidas e só nos autorizam sair nos fins-de-semana ou durante o dia.

Nós, rapazes dependentes, exigências são quase iguais às das meninas. Só que como sabemos que meninas têm menos força pedimos sempre para trazerem duas amigas com elas, assim, uma pega-nos debaixo dos braços, outra nas pernas, e a outra sobe para cima da cama e agarra-nos pelas calças e assim conseguem tirar-nos da cadeira e deitar-nos na cama. Como meninas são ciumentas, ela dispensa as amigas, não antes de darem uma ajuda a tirar a camisa. Uma com muito cuidado por causa das dores no nosso pescoço, tenta segurar o tronco no ar e outras duas puxam camisa dos dois lados. Calças depois de várias tentativas, nossa conquista tira-as bem.

Se usamos uma sonda (convém ser uma nº12, como ninguém usa 12, que seja no máximo uma 14) que seja de silicone. É que para haver penetração aconselham a dobrá-la em paralelo ao bicho. O saco de urina é melhor ficar no meio das nossas pernas, mas não muito esticado. Senão desdobra-se a sonda e nada funciona.

Se esvaziamos a bexiga por sonda, meninas aprendem mais rápido. Ainda na cadeira ela puxa-nos as calças para baixo, ao contrário dos rapazes, quase todas as meninas têm penico em casa. Se formos para motel levamos urinol ou garrafa vazia. Com o dito de fora e estando também no nosso ângulo de visão, vamos explicando cada passo. Mesmo com muito boa vontade, acaba por ver que sozinha não consegue introduzir a sonda, e contra vontade, lá dá um berro para a amiga vir ajudá-la. A amiga segura o urinol (mas com olhos bem longe do dito, porque nossa menina está constantemente a avisá-la. Oh, estou a ver-te…), ela introduz a sonda, sempre aos “ais e a perguntar se dói”. Pronto, já está.

A amiga, como está acostumada a estas coisas, sai e aproveita para despejar o líquido no vaso sanitário. Algumas vezes de tão amigas que são, até avisam: olha que o xixi está muito turvo e tem um cheiro forte! Bebe água.

Pronto, agora sabem muito mais sobre a vida sexual dos/as tetraplégicos/as dependentes, espero ter contribuído para um maior esclarecimento sobre o assunto.

Comentários

  1. Visões bem diferentes...de pessoa para pessoa!
    cada caso é um caso!
    um abraço

    ResponderEliminar
  2. PEDRO, e cada um fala por si, acrescento eu. Somente quis acrescentar algo bem real, ironizando um pouco.

    ANA, não é fácil ouvir e ler inverdades. Estão a confundir vida afectiva com vida sexual.

    LENDRO, bom ter-te por aqui. Obrigado.

    Fiquem bem.

    ResponderEliminar
  3. quando tc com vc achei q era doido mais lendo o se lesado,e vendo seu perfil vejo q é superação a cada dia, fico feliz de ver seus progetos e apesar da sua deficiencia ainda ajuda os outros bjs elaine foi muitos bom tc com vc.

    ResponderEliminar
  4. Eduardo, fiquei na dúvida da relação sexual! Vc sente prazer??? e como é o sexo? é oral???bjo




    Cláudia

    ResponderEliminar
  5. Cláudia, obrigado por ser direta e objetiva nas perquntas.
    Impossivel responder-te em poucas palavras, mas vou tentar.
    Eu não sinto orgasmo, logo não há aquela descarga emocional e visivel. Sinto é sensações e acontecimentos diferentes. Por exemplo: durante uma envolvência (beijos, caricias...) posso vir a sentir um espasmo, um arrepio, uma sensação de bem estar, etc. Acontecimentos que em mim substituem o orgasmo. Houve um climax diferente. Mas existiu.

    Em relação ao sexo (coito em si), existe a penetração. Nós tetras temos ereção por reflexo, mas pode durar pouco tempo. Dai usarmos medicação como o viagra, Cialis, levitra...para podermos prolongar a ereção tempo satisfatório. E claro que o sexo oral, caso seja o desejado.

    Cláudia, basicamente é isso. Espero ter-te elucidado. Disponha sempre e fique bem.

    ResponderEliminar
  6. Eduardo, parabéns amigo! é mesmo isso, o melhor é falar sem tabus, sp pensei,ingenuamente que os tetras n teriam sexo e ponto...... !! Provavelmente mta gente pensará como eu ! Um grande xi !!!!

    ResponderEliminar
  7. Que bom ter-te por aqui Mónica. Tenho na minha vida uma pessoa muito especial que também se chama Mónica. rs
    Fazemos quaaaaseeee tudo, só que de maneira diferente. Eu por exemplo só tenho sensibilidade do pescoço para cima, logo, tudo tem que ser diferente do que caso sentisse todo o corpo por igual...
    Mas não somos assexuados como muita gente pensa.
    Fica bem e aparece mais vezes

    ResponderEliminar
  8. Olá não o conheço,mas a liberdade como explica tudo sem complexos deixa um ar de conforto.Perdi um grande amigo este ano que também era Tetraplegico,tinha 40 anos era um ser muito especial,tentava mostrar que estava tudo bem,mas eu sentia que ele ia muitas vezes a baixo,sentia mais isso quando passava muito tempo sem o ir visitar ao local onde estava internado.Respirava por um tubo e custava-lhe falar,mas mesmo assim falava muito,ele era fantástico.Ele dizia que ia dentro dos possiveis tentar ter uma vida normal,quando soube da morte dele fiquei em choque porque ele mostrava que estava a lutar para viver muito mais além das limitações.Ainda hoje não consigo conformar-me com a partida dele.Desculpa estar a desabafar com quem sofre todos os dias com as suas limitações,mas eu precisava mesmo muito de escrever para alguém,escolhi-o a si,desculpe...mas você é especial!!!Que Deus ilumine o seu caminho todos os momentos da sua vida!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      Realmente tem razão, geralmente não deixamos transparecer tudo que nos agonia. Existem momentos que estamos em sofrimento mas continuamos a sorrir e a interagir como se tudo estivesse normal. Mas isso acontece porque nos recusamos a estar constantemente a realçar o negativo. Queremos viver o mais normal possivel. Tentamos inclusive enganarmo-nos a nós próprios.
      Mas não fique com essa sensação esquisita. Interessa é o que viveu com ele. Valorize essa parte e de resto lembre-se que ele estará num lugar melhor.
      Obrigado pelo carinho e fique bem
      Eduardo

      Eliminar
  9. olar Eduardo Jorge, um homem tetraplégico tem posibilidades de ter filhos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, pode ter filhos mas geralmente não por ejaculação através do acto sexual. Não temos orgasmo.
      Esperma é recolhido por especialistas, selecionado, e usam a fertilização in vitro.
      Boa sorte

      Eliminar
  10. Oi, sou deficiente visual desde 2002 e sei como dói ouvir um diagnóstico que nos arrebenta a vida. Fui obrigada a me aposentar por invalidez e durante muito tempo não sabia o que fazer. Hoje, leio compulsivamente e escrevo historinhas românticas do tipo agua com açucar, com finais felizes pois detesto a realidade bruta que a vida mostra. Assim, prefiro a ilusão do faz de conta na maior parte das vezes. Sou, na verdade, uma escritora que ninguém lê e nem publica, mas posso assim extravazar um pouco da minha impotência diante de tantos problemas que a vida apresenta. Logicamente, a situação de uma pessoa tereplégica traz muitos mais inconvenientes no dia a dia do que aprender braile e a caminhar com uma bengala. Mas mesmo assim, conheço uma infinidade de pessoas que não apresenta nenhum problema de saúde, que pode andar, correr, fançar, ver, ouvir e outras coisas mais mas que vive praguejando, amaldiçoando sua falta de sorte na vida, tentando suicídio ou metendo os pés pelas mãos. Acho que é cada um com a sua cruz, embora nada disso traga conforto. O que eu espero, sinceramente, é que você tenha alguém com quem podssa contar. Muuitas pessoas que podem praticar sexo normalmente se sentem infelizes e insatisfeitas sexualmente. Acho que, como o cego, que aprende a multiplicar outros sentidos, o deficiente físico também aprende a sentir mais as boas sensações, a estar mais aberto para contatos prazerosos já que é complicado ir mais além. Na verdade, mesmo com os autos e baixos que nos aflige em diversos momentos do nosso dia, ainda estamos por cima pois somos teimosos e não entregamos os pontos com facilidade. Um grande abraço da ceguinha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que comentário bonito. Obrigado!
      Espero que consiga editar seus livros e tenha muitos sucessos.
      Boa sorte e apareça sempre.

      Eliminar
  11. Parabens pelo o que diz. Me apaixonei por um amigo tetraplegico. Sei que as dificuldades são grandes, mas acredito na cumplicidade e no que chamam de amor, que é o que realmente conta. Ah, fomos namorados há vinte anos atrás e ele continua igual para mim.

    ResponderEliminar
  12. Sou tetraplegico gostaria de sua opinião de qual remédio é melhor para aumentar a durabilidade dá eresão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim o melhor remédio continua a ser o Viagra. Mas convém experimentares os 3 e várias hipóteses e alternativas para depois melhor poderes escolher.
      Fica bem

      Eliminar
  13. Ola caro amigo, queria saber se posso fazer esvaziamento a noite? Porque uma vez deitado a bexiga enchi mais depressa.queria sua opiniao.

    ResponderEliminar
  14. Convém educar a bexiga fazendo os esvaziamentos a horas certas, mas pode fazer esvaziamentos sempre que o desejar. Para evitar que bexiga encha durante a noite, deixe de beber líquidos umas horas antes de se deitar.
    Fique bem

    ResponderEliminar
  15. Olá, estou fazendo um trabalho sobre sonda vesical e achei super interessante sua publicação. Poderia me dizer se tem alguma complicação posteriormente, pelo fato de fazer sexo estando com a sonda vesical? Agradeço se puder ajudar obrigada :)

    ResponderEliminar
  16. Geralmente retira-se a algália antes do ato sexual, mas se a sonda for maleável também existe a possibilidade de dobra-la ao longo do pénis e introduzi-la em conjunto, mas pode provocar dor tanto na mulher como no homem.
    Boa sorte para o seu trabalho.

    ResponderEliminar
  17. Olá estou aprendendo muito com vcs, gostaria muito de ajudar uma pessoa que já desistiu de viver, sei que não é o caso de todos vcs aqui, mas aquelas pessoas que acham que por ter acontecido isso acham que a vida acaba, tem um mundo a fora para desvendar... Agradeço os comentários que leio com muito carinho. Um beijo

    ResponderEliminar
  18. Sou tetraplegico a dois anos devido a um acidente ,gostaria de saber mas sobre minhas condições. Queria poder

    ResponderEliminar

Enviar um comentário